Buscar

A fúria de Afrodite e a busca por sentir alguma coisa



Os seus sentidos têm de guiado ou te dominado?


A sensação, ou a busca irrefreável dela, é o padrão de comportamento do nosso tempo.

Os antigos gregos tinham uma palavra para “tudo aquilo que passava da medida” na tentativa de se equiparar a uma divindade. Essa palavra era hybris.


Para essa cultura, o excesso era sinônimo de desordem, cujas consequências estariam fora de controle.


O balanço para isso era “sophrosyne”, o espírito de moderação e de se perguntar: “Será que não estou indo longe demais? Os fins justificam os meios? Qual é a justa medida?”.


Um exemplo de hybris é a exploração desmedida da natureza pelo homem, que já colhe consequências desastrosas dessa ação exagerada.


Outro exemplo de hybris pode ser percebido no espírito de nosso tempo. O filósofo Christoph Türcke chamou de “sociedade excitada”. O psicoterapeuta James Hillman, de “loucura cor-de-rosa” – a fúria da Afrodite recalcada que nos coloca loucos à procura de migalhas de “vida”.


Seja qual for o ponto de vista, o que se percebe é que a busca por sensações, reino de Afrodite, passou da justa medida e se tornou uma maneira de nos escravizar na busca do “viver plenamente”, conceito que se altera ao sabor das influências do marketing e do consumismo.


Existe até um traço de personalidade chamado de sensation seeking (buscadores de sensações), que, como o próprio nome já diz, é caracterizado pela procura por novas e mais intensas sensações – às vezes, até colocando em risco a própria vida na procura incessante de novos estímulos que nos façam sentir mais vivos.


Onde está a tal da “vida plena e deliciosa”? Será que isso existe do jeito que nos vendem? Por que queremos ter nossos sentidos estimulados o tempo todo? O que isso revela? O que isso oculta?


Conhece alguém que vive a fúria de Afrodite e nem sabe?


O remédio para isso é fazer as pazes com a própria Afrodite interna, cultivar a presença e a “mentalidade degustativa”. Só o arquétipo pode regular o que sua falta desregulou.


A Inspira lançou O Livro de Afrodite - um guia arquetípico de encontro com a divindade de Afrodite que vive em seu interior. Metade livro, metade caderno de escrita terapêutica, contém 233 exercícios e textos reflexivos e instigantes para conversar com o seu inconsciente e fazer a sua Afrodite sair da concha.

Quer descobrir como? Clique aqui.