Buscar

Como ficar 30 dias sem plástico?

Este texto foi publicado originalmente na Revista Inspira, edição #3, outubro de 2019.

Foto impactante de Sylwia Bartyzel/ Unsplash


Se desafiar de vez em quando é parte de uma rotina saudável de se enxergar de maneira mais consciente, reconhecendo nossos limites e alargando nossas possibilidades.


É por isso que resolvemos trazer aqui para a Revista Inspira um projeto que já utilizamos em nossas redes sociais: os desafios.O desse bimestre pode parecer impossível.


Ficar um mês sem usar plástico?

Tudo bem. Você não precisa ficar totalmente sem plástico. Mas se desafie a diminuir ao máximo o consumo e utilização desse material.


Sabe por que você consegue? Foi só em 1907 que foi inventado o primeiro plástico sintético e viável para ser utilizado comercialmente. O poliéster, o PVC, o náilon e o poliuretano surgiram todos apenas na década de 1930. Isto é, essa onipresença do plástico em nossas vidas existe há menos de 100 anos.


Antes disso, as pessoas viviam sem ele. O que quer dizer que, provavelmente os seus pais ou avós viviam uma vida sem plástico naturalmente. Sem pensar que estava faltando algo!


Mas por que estamos pedindo que você tome essa atitude?

Bem, não é coisa da nossa cabeça. De acordo com um estudo divulgado no Fórum Econômico Mundial de Davos em 2016 estima-se que, no ano de 2050, os oceanos terão mais plásticos do que peixes. Outra pesquisa, sinaliza que 90% das aves marinhas já ingeriram plástico ao longo de sua vida, o que pode causar inanição e levá-los à morte. Mas o dano não se restringe apenas às aves, toda a vida marinha é ameaçada por essa substância intrusa em seu ecossistema.


Se você já assistiu ao Rei Leão, sabe que “Tudo o que vês existe num delicado equilíbrio”. Respeitar todas as criaturas é uma lei de sobrevivência para nossa sociedade!


Além disso, o plástico é uma tecnologia química, derivada do petróleo. Quando dividida pela ação do tempo, seus pedaços se tornam microscópicos, e carregados pelo vento intoxicam o solo (de onde vem nossa comida e também nossa água – não se esqueça que os lençóis freáticos ficam debaixo da terra) e, assim, toda a nossa existência.


As soluções parecem muito pequenas perto de toda uma estrutura que produz lixo aos montes, mas algumas pequenas atitudes são: levar seu próprio copo, canudo de vidro e talheres sempre que souber que vai se alimentar fora de casa; reutilizar as sacolas de sua última compra ou (melhor ainda) utilizar ecobags de pano; não ser irresponsável com o seu lixo; praticar a coleta seletiva; dar novas funcionalidades aos objetos que você está prestes a se desfazer.


Como dizia Mahatma Gandhi: “Seja a mudança que você quer ver no mundo”.


Olha só algumas mudanças simples que você pode fazer na sua rotina e que mudam o mundo:


Sacolas de pano

Quando for ao mercado, à feira ou até mesmo a lojas de departamento, substitua as sacolas plásticas pelas de pano, as famosas ecobags. Além de serem mais bonitas, você está educando o comércio para uma cultura de menos plástico e diminuindo o impacto ambiental desse plástico.


Leve suas canecas e talheres

Sempre que imaginar que vai comer ou beber fora (mesmo que seja água ou só um cafézinho), leve suas próprias caneca e talheres para não precisar usar os descartáveis. Muita gente já faz isso!


Empreste, reuse, consuma menos

Essa é uma das dicas mais legais! Consumir menos plástico não significa ter menos opções. Promova trocas, empreste, pegue emprestado. Faça arte, recicle e reinvente os materiais. Dê nova vida a eles transformando-os em novos utensílios.