Buscar

Mãe: um portal para a vida

Atualizado: Ago 12



“O primeiro espelho da criatura humana é o rosto da mãe:

A sua expressão, o seu olhar, a sua voz.

[...] É como se o bebê pensasse:

Olho e sou visto, logo, existo!” -

(Donald Winnicott)


É dessa primeira projeção que justificamos nossa existência e sentido. Mães são portais para a vida e permanecem sendo a fonte de vida por um bom tempo entre o nutrir, proteger e fazer crescer. Quanto poder essa mulher tem sobre nós!


Mas portal não é morada. É passagem!


Em uma jornada de amadurecimento psicológico, muito se fala de abandonar os ideais, as expectativas e a autoridade que outorgamos aos nossos pais. À primeira vista, a ideia de “matar a mãe”, como é popularmente chamado esse processo, pode parecer algo até errado, pecaminoso, impuro. “Como um filho pode fazer isso?”.


Quando matamos (psicologicamente) a mãe e o pai que criamos como perfeitos e ideais rígidos do que seguir - ou como grandes causadores de sofrimento, que possuem poder sobre nós -, matamos também a mentalidade subserviente de “filho”, do ser que depende de alguém “maior” para lhe cuidar, proteger e sustentar sua existência sempre, e esse é o objetivo. O objetivo é que nos tornemos mães e pais de nós mesmos, e seria melhor chamado de “integrar a mãe”. E, quando isso acontece, libertarmos nossa mãe física da expectativa de ser a mãe perfeita de comercial.


Quando um filho se liberta, ele liberta também uma mãe. E como é verdadeira a relação de quem pode rasgar os papéis e ser apenas quem é.


Mãe também pode ser amiga, companheira e ouvinte! Mãe pode errar e não fazer sentido. Como qualquer pessoa, incluindo você.


Encapsular um sujeito em uma única função e fazer com que ele corresponda a isso não é saudável para ninguém. A vida é mais!


A Inspira lançou O Livro de Afrodite - um guia arquetípico de encontro com a divindade de Afrodite que vive em seu interior. Metade livro, metade caderno de escrita terapêutica, contém 233 exercícios e textos reflexivos e instigantes para conversar com o seu inconsciente e fazer a sua Afrodite sair da concha.


Quer descobrir como? Clique aqui.


Arte: “Abraço terno”, Émile Munier