Buscar

O que realmente significa "acolher uma emoção"?



Se você busca conteúdos sobre autoconhecimento, psicologia e inteligência emocional, já deve ter lido muito essa expressão. Mas, afinal, o que significa "acolher uma emoção"? O que você realmente deve fazer?


Acolher as emoções é o primeiro passo na jornada de aceitar quem você realmente é, sem colocar a parte que você julga ruim debaixo do tapete.


Seus medos, sua inveja, sua raiva, suas angústias, seu ódio e, às vezes, até o seu prazer são considerados emoções sujas em nossa sociedade. É um discurso tão firme que você acaba acreditando nisso.


Mas, do ponto de vista da alma, todo sentimento tem uma função. Veja mais sobre isso nesse artigo aqui: "Você usa as suas emoções a seu favor?".


Quando esse seu tapete acumula muita coisa por debaixo dele é o seu inconsciente que surge pra te puxar o tapete e mostrar tudo o que foi sendo escondido. Você tem que dar um jeito nisso! É como Freud diz: "As emoções não expressas nunca morrem. Elas são enterradas vivas e saem das piores formas mais tarde".


É daí que surgem a projeção das suas sombras nos seus relacionamentos, comportamentos sabotadores e a sensação de autorrepressão constante te dá a impressão de que você é uma bomba prestes a explodir. A conta chegou.


Para resolver isso, comece a acolher as suas emoções, aceitar a sua humanidade e honrar seu verdadeiro eu.


Entenda como você pode fazer isso em 4 passos!


Como "acolher" uma emoção?

Permita-se

Permita que essa emoção venha à tona. Se você não permite, ela corre o risco de aparecer muito maior em algum outro momento e te pegar desprevenido. Sinta a sua emoção, mesmo que de maneira solitária, em um ambiente seguro. Evite o autojulgamento e evite imaginar o que as pessoas estão pensando de você. Sentir é humano.


Conheça a emoção

Qual é a emoção? Dê um nome a ela. De onde ela vem? Ela está associada a alguma coisa? Qual parte de mim foi afetada por ela? Onde ela me atinge fisicamente e de que forma? Elabore respostas para essas perguntas.


Agrupe-a

Hora de vincular essa emoção a outras emoções, pensamentos e acontecimentos da sua biografia. É aí que a emoção adquire sentido e você passa a compreendê-la, dentro da sua história pessoal. Que outra vez você já sentiu isso? Qual foi o contexto? O que os contextos têm em comum? Aí provavelmente está um padrão inconsciente se repetindo.


Ressignifique-a

Nesta fase, depois de ter começado a entender o sentido da emoção, você passa a associá-la ao todo da sua história de vida. Aqui, você se enxerga como protagonista, e não vítima, pois você conhece os mistérios daquela emoção e desvitaliza os possíveis efeitos negativos que ela tenha sobre você. É claro que essa última fase é mais utilizada no caso de emoções que você considera desmedidas e indesejáveis.


Ressignificar também pode ter como consequência você depositar essa energia psíquica presente na emoção em algo que lhe seja mais proveitoso. Isso é chamado de sublimação. A vontade de matar todo mundo pode se transformar em arte, por exemplo, como nos filmes do diretor americano Quentin Tarantino, cujas histórias costumam terminar com os personagens todos no além.


Todas as emoções têm potencial criativo e inventivo!

A Inspira lançou O Livro de Afrodite - um guia arquetípico de encontro com a divindade de Afrodite que vive em seu interior. Afrodite é a deusa das emoções. Metade livro, metade caderno de escrita terapêutica, contém 233 exercícios e textos reflexivos e instigantes para conversar com o seu inconsciente e fazer a sua Afrodite sair da concha.


Quer descobrir como? Clique aqui.


Foto: Darius Bashar/ Unsplash