Buscar

Será que o amor consegue transformar o mundo?

Atualizado: Ago 12



A pergunta pode começar a ser respondida ao voltarmos nossa perspectiva no tempo: para o início da civilização.

As primeiras imagens que vêm à cabeça sobre esse período são de anzóis, ferramentas rudimentares e caça a animais.

Mas foi um osso de 15 mil anos encontrado por arqueólogos o primeiro vestígio da civilização. A antropóloga Margaret Mead defendeu esse argumento. “O fémur estava partido, mas tinha cicatrizado. É um dos maiores ossos do corpo humano (liga a anca ao joelho) e demora seis semanas a curar. Alguém tinha cuidado daquela pessoa. Abrigou-a e alimentou-a. Protegeu-a, em vez de a abandoná-la à sua sorte”, explicou Mead.

De ossos cicatrizados à constituição da civilização e das sociedades, a cola afetiva que nos impulsionou a essas edificações foi a mesma: o amor. É assim que podemos perceber a capacidade transformativa que reside dentro da nossa ação de amar.


“Se por um lado amamos, por outro lado – também dentro das nossas latências pulsionais – destruímos. Violência, assassinatos e guerras também são produtos da natureza humana. Em 1932, Albert Einstein perguntou para Sigmund Freud: ‘Por que a guerra?’. Como antídoto à aniquilação generalizada, Freud disse que a criação de vínculos amorosos é o equilíbrio a esse potencial destruidor” (O Livro de Afrodite, p. 61).


E como amar?


O amor é um receptáculo inverso, preenchido quando doamos, durante a ação de amar. Em outras palavras, nos sentimos amados quando amamos; e só assim, na prática, aprendemos a amar.


A Inspira lançou O Livro de Afrodite - um guia arquetípico de encontro com a divindade de Afrodite que vive em seu interior. Metade livro, metade caderno de escrita terapêutica, contém 233 exercícios e textos reflexivos e instigantes para conversar com o seu inconsciente e fazer a sua Afrodite sair da concha.


Quer descobrir como? Clique aqui.


Foto: Ekaterina Shakharova/ Unsplash