Buscar

Você conseguiria viver sem o toque?



“Uma criança resiste à ausência de muitas outras coisas, desde que exista o toque amoroso”. É isso o que defende o pesquisador Armando Siqueira Neto em um artigo científico.

⠀⠀⠀

O toque é o meio de expressão do tato, o primeiro sentido que desenvolvemos ao nascer e a nossa primeira linguagem do amor. O encostar carinhoso da criança na pele da mãe diminui a frequência cardíaca e os níveis de cortisol e a libera ocitocina. Assim, ficamos calmos, sentimos uma sensação gostosa e de segurança.


Uma pesquisa da Universidade de Miami comprovou que bebês prematuros que recebiam 45 minutos de carinho por dia ganhavam mais peso que os demais bebês que não recebiam carícias, e recebiam alta mais rápido.


Em tempos de pandemia, o aperto de mão, o abraço e até aquela proximidade de ficar mais perto e sentir calor humano foram temporariamente abolidos. Mas não é o fim!


Tudo isso nos fez olhar para uma coisa sobre o toque: ele não depende necessariamente de uma outra pessoa. Se você tem mãos, você também pode comunicar ternura por você mesma(o) por meio do toque.

⠀⠀⠀⠀

Já tentou fazer um cafuné nos seus cabelos quando precisa relaxar? Massagear os seus pés enquanto os lava à noite? E afagar seu peito quando precisa de calma e foco?


O toque é uma poderosa ferramenta de autocuidado!


E não se esqueça: assim como os bebês, você também pode resistir a muitas coisas quando tem um toque amoroso.


A Inspira lançou O Livro de Afrodite - um guia arquetípico de encontro com a divindade de Afrodite que vive em seu interior. Metade livro, metade caderno de escrita terapêutica, contém 233 exercícios e textos reflexivos e instigantes para conversar com o seu inconsciente e fazer a sua Afrodite sair da concha.

Quer descobrir como? Clique aqui.


Foto: Aditya Romansa/Unsplash