Buscar

Será que autoconhecimento é egoísmo?


É comum encontrar pessoas que olham torto para o autoconhecimento, como se essa fosse a institucionalização do “olhar apenas para o próprio umbigo”.


Autoconhecimento não é isso.


O sociólogo e ativista dos direitos humanos Herbert José de Sousa, o Betinho, chegou a uma conclusão, que nos põe pra refletir, que diz: “Um país não muda pela sua economia, sua política e nem mesmo sua ciência; muda sim pela sua cultura”.


O indivíduo é a unidade da cultura, influi diretamente sobre ela. Indivíduo e cultura são estruturas interdependentes. Se a maioria dos indivíduos adotasse uma postura de autoconhecimento, de sair do automático e reencontrar sua totalidade, o organismo cultura poderia ser transformado e, assim, a sociedade mudaria.

"O melhor trabalho político, social e espiritual que podemos fazer é parar de projetar nossas sombras nos outros", disse Carl G. Jung.

⠀⠀⠀

Olhar para dentro não é narcisismo, egoísmo ou fuga é, também, um ato político. E quanto mais pessoas perderem os preconceitos e a preguiça de olhar pra si mesmo, melhor pra todo mundo!


Pensar em si, escrever sobre si mesmo, praticar o autocuidado e se interessar em mergulhar nas suas próprias profundezas não é colocar uma venda e fingir que outras pessoas não importam.


Algumas pessoas parecem fazer confusão entre os termos "auto" e "ego".


Auto: exprime a noção de si próprio, por si próprio.

Ego: personalidade consciente. Mas o significado comum é relacionado ao apreço exagerado que alguém tem por si mesmo.


Pensar que qualquer atitude de se voltar para si mesmo é egoísta ou egocêntrica é algo comum em nossa cultura muito acostumada a moldar a visão de quem somos a partir do olhar do outro.


Isso implica em colocar o outro sempre em "primeiro lugar", para que eu possa me posicionar melhor no ranking de ser uma "boa pessoa".


Mas é justamente isso de estar sempre se moldando aos olhares externos que invalida e atrapalha qualquer avanço da nossa parte ruma a uma vida com mais plenitude e verdade.


E isso acaba gerando reflexos que partem de você e afetam todo mundo que está a sua volta.


Uma pessoa que não se olha, dificilmente consegue olhar de verdade, com empatia, para quem está do lado. Nesse sentido, o outro é apenas um indivíduo que está aí para me validar. E isso sim é egoísta!


Um paradoxo, né?


Então, fica tranquila(o). Autoconhecimento vai continuar sendo a melhor coisa que você pode fazer pelo mundo: o seu mundo interior, que é apenas seu, e o mundo exterior, que você constrói com os outros.


Quer aprofundar mais o seu autoconhecimento às luzes dos arquétipos e da escrita terapêutica?

A Inspira lançou O Livro de Afrodite - um guia arquetípico de encontro com a divindade de Afrodite que vive em seu interior. Metade livro, metade caderno de escrita terapêutica, contém 233 exercícios e textos reflexivos e instigantes para conversar com o seu inconsciente e fazer a sua Afrodite sair da concha.


Imagem: cottonbro/Pexels