Buscar

Saltos para uma boa vida

Este texto foi publicado originalmente na Revista Inspira, edição #4, janeiro de 2020.


Foto: Freepik


Muito mais que brincadeira de criança! Entenda como pular corda pode ser uma boa opção de prática de exercício físico.

Qual foi a última vez que você pulou corda? Para boa parte das pessoas foi em algum momento da infância. Mas pular corda não deve estar apenas na reminiscência das brincadeiras infantis; pode estar também na prática de exercícios.


É só lembrar de filmes sobre boxe, como Rocky, por exemplo, em que um dos treinamentos é pular corda. E isso não é à toa, é estratégico: para aumentar o condicionamento físico do corpo inteiro e a agilidade das pernas. Para os pugilistas, tão importante quanto saber usar as mãos, é saber posicionar os pés – quase uma dança que faz esquivar ou chegar perto do oponente num piscar de olhos –, e os saltos proporcionam trabalhar essa coordenação motora.


BENEFÍCIOS

Além dos jogos de pés nos saltos, o exercício de pular corda traz muitos outros benefícios ao corpo.


Bom, vamos começar pelo o que boa parte das pessoas que buscam fazer exercício querem saber: a queima calórica. Realmente, pular corda é uma excelente atividade física para quem busca perder uns quilinhos na balança, sem precisar gastar muito tempo. A cada um minuto de atividade, até 15 calorias são queimadas por suor abaixo. Ou seja, em 30 minutos de saltos, 450 calorias são perdidas. No entanto, não vale a pena delegar o emagrecimento somente ao exercício; a alimentação saudável e equilibrada é parte primordial nesse cálculo total.


Além da perda calórica, o ponto seguinte que deve chamar atenção para quem deseja praticar algum exercício são as partes trabalhadas no corpo. E, sobre isso, pular corda ganha mais um ponto positivo. Os grupos musculares da parte superior e inferior são acionados. Em cima, os músculos dos braços, ombros, dorsais e abdômen dão o ritmo da corda para a parte de baixo – coxas, panturrilhas e glúteos – trabalhar os saltos.

Outro quesito positivo é que a corda ajuda a desenvolver a coordenação motora, por trabalhar ritmo, velocidade, altura de pulo e equilíbrio. Com o exercício, todo o seu corpo fica mais ágil.


Também podemos incluir a esses itens outro fator: a simplicidade – tanto dos equipamentos, quanto do espaço. Para se exercitar, basta ter uma corda e disposição. Já o local da prática não precisa de muito espaço, desde que a corda não chegue no teto – o dobro da sua altura nas extremidades já garante a boa execução dos movimentos.



EQUIPAMENTOS

A escolha da corda também é importante. Um dos principais quesitos a serem olhados na hora de escolher a sua corda é o tamanho. Ela não deve ser nem muito grande, para não sobrar durante a execução do exercício, nem muito curta, para não prender nos pés.


Para se certificar disso, pise no meio da corda e erga as pontas: elas não devem passar da altura dos ombros nem ficar na altura do cotovelo. No mercado, também existem modelos ajustáveis no comprimento.


Além da corda, é importante escolher um tênis com amortecimento para a prática do exercício. Como a corda gera impactos na parte inferior do corpo, as articulações podem ser afetadas se não tiver algo para amortecer. Vale lembrar que as pessoas que sofrem com algum problema nas articulações devem consultar um médico antes de iniciar a prática.


VARIAÇÕES E INTENSIDADE

O movimento básico de pular corda, todos nós já conhecemos: um salto por vez com pés paralelos. Mas outras variações também fazem parte dessa atividade física.


Se estiver começando, faça mais lento para se habituar aos movimentos. Certifique-se de que a sua postura esteja ereta, com os joelhos levemente dobrados e o olhar para a frente. De início, você pode alternar um minuto de prática seguido de um minuto de descanso. Gradualmente, aumente o tempo do exercício. Para ser mais eficiente, comece com pulos baixos.


Quando já estiver habituado a pular corda e quiser variar o movimento, há várias outras possibilidades durante o pulo: alternar os pés, cruzar as pernas, salto duplo, elevar os joelhos, simular uma corrida, abrir e fechar as pernas, entre muitas outras maneiras de executar os movimentos.


A velocidade também é papel importante nessa atividade física. Quanto mais rápido, mais intenso o exercício se tornará.


Pular corda é um exercício prático para quem busca colher os frutos de um bom condicionamento físico e, consequente, ter mais saúde.


Assim, é fácil bater o tempo recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para atividades físicas: 150 minutos semanais de atividades leves ou moderadas, cerca de 20 minutos por dia, ou 75 minutos de atividades de maior intensidade, aproximadamente 10 minutos por dia. Como diz a canção, “vamos pular”?