Buscar

O que acontece quando o arquétipo vira um estereótipo?

Atualizado: 13 de abr.



Marilyn Monroe é uma mulher Afrodite?


Quando se fala em Afrodite, a imagem de Marilyn Monroe não demora muito a vir à tona.


Símbolo de sensualidade e encanto, musa de artistas e dona de uma vida amorosa movimentada, a imagem da atriz atravessou décadas e se tornou um ícone.

Mas Marilyn é o exemplo de alguém que vive o arquétipo de Afrodite?

A conclusão à qual chegamos é de que sim, e não.


A diferença entre arquétipo e estereótipo⠀

Essa atriz inesquecível nos ajuda a entender as diferenças entre viver um estereótipo - isto é, um modelo sólido construído socialmente de quem você deve ser, em que não há espaço para autenticidade - e compreender um arquétipo - conteúdos organizados que traduzem a natureza humana, sempre abertos para que possamos dar a nossa própria assinatura. Na publicação "O que é um arquétipo?" explicamos tudo sobre isso.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀


Com o tempo, a Indústria Cultural se apropriou daquilo que somos, misturou seus próprios ingredientes e nos ofereceu de volta, como se fosse algo nosso. Nesse ponto, não sabemos mais distinguir quem somos e o que é deles, o que é de interesse dentro de uma lógica comercial.


Ficamos sem saber onde termina a influência da mídia e onde começa nosso verdadeiro desejo e nossas perspectivas mais fundamentais sobre as coisas.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

E nessa vamos nos desconectando de nós mesmos, passando a achar que o erro está em nós. Não está!


O caso Marilyn Monroe

A compreensão verdadeira da imagem arquetípica de Afrodite, aquela que permitiria que a verdadeira face de Marilyn aparecesse, lhe era negada: seu apreço pela literatura, seu trabalho como poetisa e sua natural curiosidade e sensualidade foram apagados.


Só havia espaço para a loira bela e promíscua. Com uma sensualidade fabricada ao gosto da indústria.


Seus produtores a obrigavam a encenar uma imagem estereotipada da Deusa por período integral. Não sobrava espaço para a espontaneidade. Nesse rompimento, há um deslocamento entre a mulher real e a personagem construída artificialmente.


De Marilyn era exigido que agisse em permanente sedução, para conquistar e reconquistar o público sem cessar. A necessidade de agradar a qualquer custo lhe roubou seu corpo, sua vida privada e seu comportamento e a levou a caminhos de vícios e de autodestruição.


O que podemos aprender?

Os estereótipos criados pela mídia e reforçados como um padrão de ser silenciam a voz da nossa essência.


Lembrar do arquétipo, não é reforçar a inadequação e a busca de um ideal, é lembrar da sua própria liberdade de escrever a sua história. Por isso devemos estudar os arquétipos, para retomarmos nosso poder de ser quem somos.


Você se interessou por esse assunto? A Inspira lançou O Livro de Afrodite - um guia arquetípico de encontro com a divindade de Afrodite que vive em seu interior. Metade livro, metade caderno de escrita terapêutica, contém 233 exercícios e textos reflexivos e instigantes para conversar com o seu inconsciente e fazer a sua Afrodite sair da concha.

Quer descobrir como? Clique aqui.